Site hosted by Angelfire.com: Build your free website today!

Bota e meia - Os pés do mergulhador podem ser protegidos por botas e meias. Durante o mergulho, isso também pode ser alcançado usando-se nadadeiras fechadas.

Cilindro de Ar comprimido - O cilindro ou garrafa é o reservatório (de alta pressão) da mistura respiratória (normalmente ar comprimido, e mais recentemente ar enriquecido - Nitrox - ou mistura especial -Trimix) usado nos equipamentos autônomos de respiração. Feito de alumínio ou aço tem um volume normalmente entre 11 e 18 litros. A pressão interna de trabalho em media será entorno das 200 atm (3.000 PSI).
Muitos erroneamente chamam o cilindro de "cilindro de oxigênio", porém o mais comum é contendo ar comprimido (composto por 21% de oxigênio e 79% de nitrogênio), o mesmo que respiramos na superfície.

Partes do cilindro
Torneiras
Têm a função de abrir e fechar o fluxo de ar do cilindro. Existem dois tipos:
· Tipo K - única saida e abre e fecha;
· Tipo J - além de abrir e fechar, tem um mecanismo que sinaliza quando a pressão do cilindro está baixa, já em desuso.

Cilindro de lastro - O cinto de lastro, ao contrário de que muitos pensam e praticam, não serve para manter o mergulhador no fundo, mas sim apenas para anular a flutuabilidade (natural do corpo e a da roupa de neoprene), deixando o mergulhador levemente negativo. Lastro em excesso facilita o afundamento do mergulhador, mas provoca sérios problemas de estabilidade. O lastro é composto de pequenos pesos de chumbo. Podem ser de 1, 2 ou 3 quilos. A quantidade de lastros que se deve usar depende de uma série de fatores, mas, em última análise devemos usar o suficiente para que, com o cilindro a 500 PSI (35 atm) e colete equilibrador vazio, a nossa flutuabilidade seja levemente negativa. O lastro é um "mal necessário" e assim tem de ser encarado. Use sempre apenas o indispensável.

Computador - Os computadores vieram, como não podia deixar de ser, para facilitar a vida dos mergulhadores. Eles, porém, não substituem a indispensável perícia que cada mergulhador terá de ter para planejar e monitorar todas as fases de seu mergulho. Os parâmetros tempo, profundidade e disponibilidade de ar, anos atrás eram monitorados por instrumentos separados. Eram eles, respectivamente, o relógio, o profundímetro e o manômetro. Hoje em dia, esses parâmetros podem ser medidos (e mostrados instantaneamente) por um único instrumento: o computador. Além da medição, ele faz a integração das informações com as "tabelas de descompressão", com as quais foi programado, fornecendo ao mergulhador "resultados". São eles: tempo de disponibilidade de ar, tempo de permanência e profundidade (quando necessário) das diferentes paradas de descompressão e avisos de erro de procedimento de descompressão, entre outros.

Máscara - A máscara é o equipamento mais imprescindível do mergulhador. Sem ela, é impossível ter uma visão satisfatória embaixo d'água. Para possibilitar esta visão, a máscara coloca uma porção de ar entre os olhos e a água. Este volume de ar está sujeito à compressão conforme o mergulhador afunda. Portanto, ao contrário dos óculos de natação (que também possibilitam a visão subaquática), é indispensável que o nariz fique em seu interior para permitir que, através dele, o mergulhador possa insuflar ar no interior da máscara, "equilibrando" a redução de volume.
As máscaras podem ser encontradas em silicone ou borracha. As de silicone são mais recomendadas do que as de borracha pela maior durabilidade. Atenção: nem tudo que é translúcido é silicone; pelo contrário, o silicone é muitas vezes pigmentado em diferentes cores.

Nadadeiras - Sua função é permitir o movimento debaixo d´água, que seria praticamente impossível sem elas. Anos atrás havia (e há ainda hoje) quem chamasse este equipamento de "pé-de-pato", mas o nome não é bem visto entre os mergulhadores. Uma nadadeira é formada pela calçadeira e pala. O material da primeira é normalmente de borracha. Da segunda, plástico, e/ou borracha.

Partes do regulador
O regulador é formado por um conjunto, mas suas peças podem ser adquiridas em separado. Ele é dividido em dois estágios: o primeiro, feito de metal cromado, que se conecta ao cilindro; e o segundo, feito de metal plástico de alto impacto ou a combinação de ambos; além do bocal. O primeiro estágio transforma o ar em alta pressão numa pressão intermediária. O segundo torna a pressão intermediária em ambiente.

Há ainda um segundo estágio reserva, o Octopus, que é preso no colete e pode ser utilizado pelo seu "dupla" (parceiro no mergulho) se o ar do cilindro dele acabar. Vocês vão dividir o ar do mesmo cilindro. Neste caso, o procedimento só é usado para que os dois retornem à superfície, abortando o mergulho.

Também faz parte do conjunto, o console, que é o suporte que acopla dois ou mais instrumentos como manômetro (que mostra a pressão do ar no cilindro) e profundímetro (que mostra a profundidade em que o mergulhador está). Alguns consoles também possuem bússola.

O primeiro estágio distribui o ar entre quatro (ou mais) mangueiras. Uma mangueira entrega ar para o segundo estágio e outra ao Octopus (segundo estágio adicional). Outra mangueira é conectada a um colete equilibrador com a função de inflá-lo. A quarta mangueira conecta-se ao manômetro (que pode estar no console), que indicará a pressão de ar disponível. Conectado à torneira do cilindro, serve para reduzir a alta pressão do gás deste cilindro à pressão ambiente (igual ao nível do mergulho) em uma vazão que permita ao mergulhador respirar confortavelmente, mesmo sob esforço.

Roupa - No mergulho, usa-se roupas isotérmicas, ou seja, que conservam a temperatura do corpo, pois, na água, o calor é dispersado muito mais rápido do que em terra. Com uma ou duas peças, as roupas normalmente são feitas de neoprene (molhadas) ou borracha (secas). As primeiras permitem a passagem de água, enquanto as segundas isolam completamente o corpo do meio liquido. Das molhadas (neoprene), há modelos com ou sem mangas e pernas e alguns modelos desenvolvidos especialmente (mais espessos, com capuz e meias) para águas muito frias.

Acessórios
Alguns acessórios, como luva e capuz podem complementar a vestimenta.
· Luvas - são de neoprene e servem apenas para se proteger do frio. Não devem ser usadas para se proteger visando a manipulação da vida marinha (proibida em muitos lugares e geralmente mal vista.
· Capuz - de neoprene, tem a função de proteger a cabeça, parte do corpo que mais perde calor, nas águas mais frias. Há modelos de roupa que já incluem o capuz, mas ele também pode ser adquirido separadamente.

Na hora de comprar
É importantíssimo ir à loja com tempo para experimentar os tamanhos (que podem ser expressos em números ou letras, dependendo da marca) e levar o que melhor se ajustar ao seu corpo. A roupa pode ser alugada nas operadoras de mergulho. Mas para quem quer se tornar um praticante freqüente, é recomendável adquirir o seu próprio traje para evitar desconfortos na hora do mergulho, como não encontrar uma roupa no seu tamanho.

Snorkel - Acoplado à máscara, o snorkel é um equipamento indispensável no mergulho em apnéia e na natação equipada (snorkeling), ambos realizados apenas com o ar dos pulmões. Em forma de "J" e dividido em tubo e bocal, o snorkel é feito com uma combinação de silicone ou borracha e plástico.

Mesmo no mergulho autônomo (com suprimento de ar), ele é, além de útil, equipamento de segurança e conforto. Isso porque às vezes é preciso se deslocar até um ponto determinado do mar para iniciar o mergulho autônomo. Ao invés de realizar este deslocamento de forma submersa, já gastando o ar do cilindro, pode-se fazê-lo pela superfície.

Não adianta um tubo comprido para evitar a entrada da água, nem muito largo, para melhorar a respiração. Nos dois casos será aumentado o espaço morto respiratório e o esforço para expulsar a água com o sopro.