É a "Tradução do Novo Mundo" uma Bíblia Sem Valor?

Site hosted by Angelfire.com: Build your free website today!
É a "Tradução do Novo Mundo" uma Bíblia Sem Valor? 2ª parte

A Tradução do Novo Mundo verteu da seguinte forma:

"O qual, embora existisse em forma de Deus, não deu consideração a uma usurpação, a saber, que devesse ser igual a Deus. "

Tito 2:13 [= 2 Pedro 1:1]

"Aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus." - Versão Almeida.

OUTRAS VERSÕES:

"...do grande Deus e de nosso Salvador, Cristo Jesus" - The Riverside New Testament (1934).
"...do grande Deus e de nosso Salvador, Cristo Jesus" - James Moffatt Bible (1935).
"...do grande Deus e de nosso Salvador, Jesus Cristo." - La Sainte Bible, de Loius Segond (1957).
"...do grande Deus e de nosso Salvador, Cristo Jesus." - The New American Bible (1970).
"...do grande Deus e do Salvador Nosso, Jesus Cristo." - Novo Testamento, de Mateus Hoepers (1978).
"...do nosso grande Deus e do nosso Salvador Jesus Cristo." - Bíblia do Peregrino (1996).

A Tradução do Novo Mundo verte: "...do grande Deus e [do] Salvador de nós, Cristo Jesus."

" Comentário de um erudito sobre Tito 2:13:

"Do grande Deus e de nosso Salvador, Jesus Cristo . . . é possível no grego koinª [koi·né] mesmo sem a repetição [do artigo definido]." - An Idiom Book of New Testament Greek (1971), de C. F. D. Moule, Cambridge, Inglaterra, p. 109.

" Comentário da TNM com referências e notas marginais sobre Tito 2:13:

"Neste lugar encontramos dois substantivos ligados por ka" (kai, "e"), sendo o primeiro substantivo precedido pelo artigo definido to½ (tou, "do") e o segundo substantivo sem o artigo definido. Uma construção similar é encontrada em 2Pe 1:1, 2, onde, no v. 2, se faz uma nítida distinção entre Deus e Jesus. Isto indica que, quando duas pessoas diferentes são ligadas por ka", se a primeira pessoa for precedida pelo artigo definido, não é necessário repetir o artigo definido antes da segunda pessoa. Exemplos desta construção no texto grego são encontrados em At 13:50; 15:22; Ef 5:5; 2Te 1:12; 1Ti 5:21; 6:13; 2Ti 4:1. Esta construção é também encontrada na LXX. (Veja Pr 24:21 n.)"

O texto de Provérbios mencionado acima diz: "Filho meu, teme a Deus e ao rei." (Prov. 24:21) Literalmente, a Septuaginta Grega verte "fo·boú ton the·ón, hui·é, kai ba·si·lé·a", ou seja, "filho, teme a Deus e rei." Omite-se o artigo antes da segunda pessoa mencionada: o rei. Isso confirma o comentário da TNM de que quando duas pessoas estão ligadas em grego por kai ("e"), o artigo definido pode aparecer somente antes da primeira pessoa. No entanto, ao se traduzir versículos com tal estrutura é necessário adicionar o artigo antes da segunda pessoa, combinado ou não com preposição, para proporcionar inteligibilidade da expressão.

Há vários versículos bíblicos com estrutura semelhante a Tito 2:13. Por exemplo, em Mateus 21:12 encontra-se o seguinte: "Jesus entrou no templo e lançou fora todos os que vendiam e compravam no templo." Evidentemente, o evangelista estava a falar de duas categorias de pessoas: os que vendem e os que compram. Sendo assim, esse versículo poderia ser traduzido da seguinte maneira: "Jesus entrou no templo e lançou fora todos os que vendiam e os que compravam no templo."

Hebreus 1:6

"Que todos os anjos de Deus o adorem!" - José Raimundo Vidigal.
"Que todos os anjos de Deus prostrem-se diante dele." - Tradução Ecumênica da Bíblia.
"E todos os anjos de Deus se inclinem diante dele." - Goodspeed Bible.

O texto acima se refere a Jesus. Mas, qual das traduções acima é a correta? Os anjos tinham que adorar ou se curvar diante de Jesus? Qualquer pessoa com conhecimento básico de grego coiné sabe que proskinéo, palavra usada neste versículo, pode ser traduzida em qualquer um dos significados acima citados, e que ela significa basicamente prostrar-se. Certo dicionário define proskinéo da seguinte forma:

"Prostrar-se (em sinal de adoração e/ou sujeição): (diante de alguém, algo)." - Dicionário do Grego do Novo Testamento, de Carlos Rusconi, Editora Paulus. O termo proskinéo significa adoração, homenagem, reverência ou o ato de curvar-se diante de alguém. Portanto, é o tradutor quem determina qual é a melhor acepção. Por exemplo, a Bíblia de Jerusalém traduziu proskinéo, em Mateus 18:26, da seguinte forma: "[Diante do rei] caiu aos seus pés e, prostrado....", embora tenha vertido "adorar" em Hebreus 1:6, porque o texto se refere a Jesus e não a um rei humano.

" Nota da Bíblia do Peregrino sobre Hebreus 1:6: " 'Adorem': rendendo homenagem ao soberano."

A Tradução do Novo Mundo verteu da seguinte forma: "E todos os anjos de Deus lhe prestem homenagem."

Hebreus 1:8

"Com referência ao Filho: 'Deus é o teu trono para todo o sempre.'" - Tradução do Novo Mundo. "Sobre o Filho porém afirma: o teu trono, ó Deus, permanece para sempre." - Edição Pastoral.

O apóstolo Paulo está a citar o Salmo 45:7. Note como a própria tradução usada acima (Edição Pastoral) traduz esse Salmo: "Seu trono é de Deus, e permanece para sempre". Qual seria então a tradução correta? Por que uma mesma passagem é traduzida de duas maneiras diferentes? A tradução correta é "Deus" ou "de Deus"?

Observe como diversas traduções vertem o Salmo 45:7:

"Teu divino trono é para sempre, teu cetro real, um cetro de equidade." - Tanakh.
"O teu trono é de Deus e para sempre." - O Salmos (LEB).
"Deus é teu trono para todo o sempre." - The Bible in Living English.
"Teu trono é de Deus, para sempre e eternamente!" - Bíblia de Jerusalém.
"O teu trono é de Deus e para sempre." - Mensagem de Deus.
"Teu divino trono dura para todo o sempre." - Revised Standard Version.
"O que Deus lhe deu vai durar para sempre." - A Bíblia na Linguagem de Hoje.
"O teu trono é de Deus para sempre e eternamente." - La Bible de Jerusalém.
"Teu trono é de Deus para todo o sempre." - The Message (American Bible Society).
"O teu reino, como o trono de Deus, é para sempre! - Missionários Capuchinhos.

Há versões que até omitem as expressões "ó Deus" e "de Deus":

"O teu trono subsiste no século do século." - Hebreus 1:8, Pedreira de Castro. "Teu trono subsistirá para sempre." - Salmo 45:6, Moffatt.

Observe três notas ao pé de página sobre Salmo 45:7 e Hebreus 1:8:

" Salmo 45:7: "Ou 'teu trono é de Deus'." - American Standard Version.
" Salmo 45:7: "Ou 'teu trono é um trono de Deus', ou 'teu trono, ó Deus'." - Revised Standard Version.
" Salmo 45:7: "Ou 'teu divino trono'." - New Living Translation (Tyndale House).
" Hebreus 1:8: "Ou 'Deus é teu trono'." - Revised Standard Version.

Não há motivo para ser dogmático sobre qual é a tradução correta desses versículos. Os autores das notas acima são especialistas nos idiomas originais da Bíblia, e são eles que dizem que há várias possibilidades de tradução igualmente aceitáveis do ponto de vista gramatical.

Esse salmo se dirigia originalmente ao rei de Israel. Como dificilmente o salmista teve a intenção de dizer que o rei fosse Deus, é bem razoável que a tradução correta seja "de Deus", pois o poder régio do governante judeu provinha de Deus. Talvez seja por esse motivo que a Bíblia na Linguagem de Hoje [BLH] verte: "O que Deus lhe deu vai durar para sempre." Sendo que uma nota da BLH, sobre o Salmo 45:6, diz: "O reino que Deus lhe deu; ou O teu reino, ó Deus; ou O seu reino divino."

Mesmo que o salmista estivesse chamando o rei de "deus", é bom lembrar que o próprio Yahweh aplicou o termo "deus" a diversas outras pessoas, ou autorizou que elas usassem tal termo:

" Anjo se apresentando como Deus - Êxodo 3:4,5; Atos 7:29,30.
" Moisés chamado por Yahweh de Deus. - Êxodo 4:16; 7:1.
" Anjo chamado de Deus - Juízes 13:21,22.
" Anjos chamados de Deuses - Salmo 8:4,5; Hebreus 2:6,7 (Vide a Septuaginta, e compare com outras traduções).
" Juízes israelitas chamados por Yahweh de Deuses. - Salmo 58:2; 82:1,6 (Compare com Êxodo 22:9).
" A casa de Davi chamada de Deus - Zacarias 12:8.

Os versículos aí citados mostram que o nome "Deus" pode ser usado de forma especial e esporádica a pessoas que representam oficialmente o Altíssimo. Esta possibilidade é comentada por vários tradutores:

" Nota ao pé de página sobre o Salmo 45:7: "Este poema nupcial é dedicado ao rei para exaltar suas qualidades físicas, augurar-lhe a vitória no campo de batalha e um reinado de justiça e verdade. Na qualidade de Ungido, é ele o representante do Senhor na terra e, por sua função de exercer e promover a justiça, é intitulado 'deus' ". - Bíblia Vozes.
" Nota ao pé de página sobre o Salmo 45:7: "Deus, palavra que por vezes é aplicada a homens (cf. Ex. 4:16), parece aqui designar o rei." - Tradução Ecumênica da Bíblia.
" Nota ao pé de página sobre o Salmo 45:7: "Vemos no termo 'elohîm um vocativo qualificando o rei; este título protocolar é de fato aplicado ao Messias. (Is. 9,5)." - Bíblia de Jerusalém.
" Nota ao pé de página sobre o Salmo 45:7: "É duvidoso o sentido da invocação 'Ó Deus': ou interrompe o poema com uma elevação a Deus, ou se refere ao próprio rei, a quem chama de 'divino'." - Salmos, a Oração do Povo de Deus, de Ivo Storniolo.
" Nota ao pé de página sobre o Salmo 45:7: " 'Ó Deus': o rei é chamado aqui de Elohim, i.e., Deus, não no sentido politeísta com que os orientais chamavam seus reis, mas enquanto lugar-tenente de Deus, cf. Sl 57 (58), 2; 81 (82), I, 6." - Bíblia Figueiredo.
" Nota ao pé de página sobre o Salmo 45:7: " 'Deus' é um título protocolar aplicado a muitos personagens bíblicos (Êx. 4,16; 7,1; Êx. 22,6; Sal 82,6)." - Missionários Capuchinhos.
" Nota ao pé de página sobre Hebreus 1:8: "Fórmula de entronização. Ao rei dirige-se a denominação elohim: deus." - Tradução Ecumênica da Bíblia.

Observe outros comentários a respeito de passagens que usam a palavra "Deus" se referindo a indivíduos:

" Nota ao pé de página sobre o Salmo 58:2 [57:2]: "Potentados: liter.: 'deuses': como no Sl 81 (82), os juízes e magistrados são chamados deuses, porque exercem na terra um poder divino." - Bíblia Figueiredo.
" Nota ao pé de página sobre o Salmo 58:2 [57:2]: "Divinos está [se referindo a].... juízes e príncipes." - Missionários Capuchinhos. ¢ Veja o apêndice no final do artigo que trata sobre o Salmo 58:2.
" Nota sobre Êxodo 21:6: "A presença do tribunal: outros traduzem: 'à presença de Deus'; segundo a interpretação rabínica, por Deus deve entender-se o tribunal, que se sentava junto à porta da cidade e julgava em nome de Deus." - Missionários Capuchinhos.

É interessante como tradutores trinitaristas conseguem chegar a conclusões que acabam por minar a crença de que Jesus é o Deus Todo-Poderoso, crença que se baseia no fato de Jesus ter recebido a denominação "Deus" em algumas passagens bíblicas. Ora, não o receberam também diversas outras pessoas? Onde as Escrituras dizem que essa peculiaridade não pode também se aplicar ao Senhor Jesus? - 1 Coríntios 4:6.

Bem, mas saindo do campo da análise lógica, porém, teria a construção gramatical desse versículo espaço para mais de uma possibilidade de tradução? O erudito bíblico B. F. Westcott fez o seguinte comentário sobre essa passagem:

"A LXX. admite dois modos de verter: [ho théos] pode ser considerado um vocativo em ambos os casos (Teu trono, ó Deus,... portanto, ó Deus, Teu Deus...) ou pode ser considerado o sujeito (ou predicado) no primeiro caso (Deus é Teu Trono, ou Teu trono é Deus...) , e um aposto de [ho theós sou] no segundo caso, (Portanto, Deus, o Teu Deus...)... É bem improvável que [Élohím] no original fosse dirigido ao rei. A conclusão a que se chega, pois, é contra a crença de que [ho theós] seja um vocativo na LXX. Assim, de modo geral, parece melhor adotar na primeira oração a tradução: Deus é Teu trono (ou: Teu trono é Deus), isto é, 'Teu reino funda-se em Deus, a Rocha inabalável'." - The Epistle to the Hebrews (Londres, 1889), pp. 25, 26.

Portanto, o professor Edgar Goodspeed ao traduzir Hebreus 1:8 tinha razões concretas para escolher a seguinte versão:

"Mas do filho ele diz: 'Deus é teu trono para todo o sempre!' ".

O mesmo fizeram os tradutores James Moffatt e Steven Byngton, e os tradutores das versões Revised Standard Version - Westminster Study Bible, e da The Twentieth Century New Testament. Sendo assim, a TNM não está só na sua maneira de verter Hebreus 1:8, e os seus tradutores não podem ser acusados de que não têm base alguma para apoiar sua escolha.

1 João 5:20

"Sabemos que Jesus Cristo, o Filho de Deus veio e nos mostrou o Deus verdadeiro. E por causa de Jesus, nós agora pertencemos ao Deus verdadeiro que dá vida eterna." - Contemporary English Version. "Sabemos que já o Filho de Deus é vindo, e nos deu entendimento para conhecermos o que é verdadeiro; e no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna." - Versão Almeida.

Qual das duas versões acima contém a idéia intencionada originalmente pelo apóstolo João? Como a maioria dos cristãos atuais são trinitários, é evidente que a segunda versão apresentada receberá maior apoio. A conclusão "este é o verdadeiro Deus" satisfaz qualquer trinitarista, pois parece se referir a Jesus. No entanto, leia a frase que culminou na conclusão em outras versões:

"Sabemos que o Filho de Deus veio e nos deu inteligência para conhecer o Verdadeiro. Estamos com o Verdadeiro e com o seu Filho Jesus Cristo." - Bíblia do Peregrino.
"E sabemos que veio o Filho de Deus e que nos deu entendimento, para que conheçamos ao verdadeiro Deus e estejamos em seu verdadeiro Filho." - Vicente M. Zione.
"E sabemos que o Filho de Deus veio e nos deu entendimento para conhecermos o verdadeiro Deus e estarmos no seu verdadeiro Filho." - Pedreira de Castro.
"Sabemos que o Filho de Deus veio e nos deu inteligência para conhecermos o Deus verdadeiro. E nós estamos com o Verdadeiro, graças a seu Filho Jesus Cristo." - Edição Pastoral.

Percebe a menção de duas pessoas em 1 João 5:20? Qual destas duas pessoas é o Deus verdadeiro? Seguramente é aquele para quem o próprio Jesus orou certa vez: "A vida eterna é esta: que eles conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e aquele que tu enviaste, Jesus Cristo." (João 17:3, Edição Pastoral) Notou a incrível semelhança entre estas duas passagens? Se João 17:3 e 1 João 5:20 foram escritos pela mesma pessoa, é de se esperar que esses dois versículos concordem entre si. Ambos os textos estão dizendo que o verdadeiro Deus é o Pai de Jesus.

" Comparação:

1 João 5:20: "E nós estamos com o Verdadeiro, graças a seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna." - Edição Pastoral.

Segundo o texto acima, quem é o verdadeiro Deus? A pessoa chamada de "Verdadeiro" ou "Jesus Cristo"? Pelo que foi analisado antes, quando João usou a expressão "este é o verdadeiro Deus e a vida eterna" ele estava falando do Pai de Jesus - o Verdadeiro. Por isso, a frase anterior mencionou "seu filho Jesus Cristo", isto é, 'Jesus Cristo, o Filho do Verdadeiro'.

Se ainda tem dúvida que a estrutura de 2 João 5:20 permite entendimento descrito aqui, leia atentamente 2ª João 7:

"[Pessoas] que não confessam a encarnação de Jesus Cristo. Este é o enganador e o anticristo." Segundo o versículo acima, quem é o enganador e o anticristo? Diria você que é Jesus só porque ele é a pessoa mais próxima da conclusão do argumento? Claro que não! Tal conclusão se refere a quem foi mencionado antes de Jesus, ou seja, certas "pessoas" que duvidam que Jesus existiu qual ser humano. Qualquer um que se enquadrar dentre elas é anticristo. A mesma estrutura frasal ocorre com 1 João 5:20:

"Estamos com o Verdadeiro, graças a seu Filho Jesus Cristo. Este é o Deus verdadeiro e a Vida eterna."

A conclusão "este é o verdadeiro Deus e a vida eterna" se refere à pessoa mencionada antes de Jesus, ou seja, o Pai, chamado ali de Verdadeiro. Por isso é que a TNM na conclusão do argumento usa o termo "esse" ao invés de "este", para indicar que o final do versículo se refere a quem está mais distante na frase, aquele que foi mencionado antes de Jesus. Diz a TNM: "E nós estamos em união com o verdadeiro, por meio do seu Filho Jesus Cristo. Esse é o verdadeiro Deus e a vida eterna."

Infelizmente a TNM não usou o mesmo critério ao traduzir 2 João 7, e voltou a usar o pronome "este". Isso demonstra que o refinamento alcançado na tradução portuguesa de 1 João 5:20 foi motivado unicamente pelo afã em demonstrar que o verdadeiro Deus daquela passagem é o Pai de Jesus, e não o próprio Cristo. Diz a TNM: "Pois, muitos enganadores saíram pelo mundo afora, pessoas que não confessam Jesus Cristo vindo na carne. Este é o enganador e o anticristo." A semelhança estrutural entre 1 João 5:20 e 2 João 7 revela um estilo próprio e peculiar do escritor descrever determinadas situações.

Mesmo com toda minudência a que 1 João 5:20 tem direito, a Bíblia Viva, por exemplo, chega a ponto de traduzi-lo da seguinte forma: "E agora estamos em Deus, porque estamos em Jesus Cristo seu Filho, que é o único Deus verdadeiro." Traduções tendenciosas assim se arriscam ao não repassar o que o texto realmente queria dizer, pois a sua escolha de paráfrase pode seguir facilmente para o lado errado. Embora a Contemporary English Version, mencionada anteriormente, tenha usado esse método de tradução, ela claramente optou pelo entendimento correto quando traduziu: "Sabemos que Jesus Cristo, o Filho de Deus veio e nos mostrou o Deus verdadeiro. E por causa de Jesus, nós agora pertencemos ao Deus verdadeiro que dá vida eterna." Em todo caso, mesmo a tradução literal não leva ao entendimento errado, como foi aqui considerado, pois a comparação com 2 João 7 e a lógica do argumento dirimem qualquer dúvida a respeito de qual era a intenção do escritor quando pegou sua pena e escreveu o que hoje é conhecido como 1 João 5:20.

A Variabilidade de Traduções Quando um Dogma Não Está Envolvido

"Paulo recolhera um feixe de lenha seca e estava jogando na fogueira. Então uma cobra, fugindo do calor, saiu e se prendeu na mão de Paulo. Vendo a cobra dependurada em sua mão, os nativos disseram: Este homem certamente é um assassino: escapou do naufrágio, mas a justiça divina não o deixa viver' .... Os nativos ficaram na expectativa de que ele inchasse e caísse morto de repente. Depois de esperarem por um bom tempo e, vendo que nada acontecia, mudaram de idéia e começaram a dizer que ele era um deus." - Atos 28:3-6, Edição Pastoral.

No grego coiné não havia artigo indefinido (um, uma, uns, umas). A frase "começaram a dizer que ele era um deus", no grego original aparece assim: ".... e começaram a dizer que ele era deus." Além disso, os primitivos manuscritos bíblicos não têm diferenciação entre letras maiúsculas e minúsculas. Eram escritos só com letras maiúsculas, ou só com letras minúsculas. Portanto, em tais manuscritos a parte final de Atos 28:6 tem o seguinte formato: "E COMEÇARAM A DIZER QUE ELE ERA DEUS." Isso mesmo, começaram a dizer que Paulo "ERA DEUS". Se este versículo se referisse a Jesus, como você acha que ele apareceria nas maioria das Bíblias? Certamente não haveria a expressão "um deus", haveria "Deus". Mas como um dogma não está aqui envolvido os tradutores seguem a lógica normal do relato e traduzem "um deus".

Semelhante caso ocorre em Atos 12:22 quando uma multidão entusiasmada elogiou um discurso feito por um homem. Como foi esse elogio? Bem, a resposta depende de qual tradução da Bíblia você usa. Veja três exemplos:

"É a voz de um deus, e não de homem!" - Alfalit Brasil.
"É a voz de deus, e não de homem." - Nova Versão Internacional.
"É a voz de Deus e não de um homem!" - Bíblia de Jerusalém.

Como pode uma mesma palavra (theo) ser traduzida de três maneiras diferentes? O certo é "deus", "um deus" ou "Deus"? Conforme os comentários já citados neste artigo por peritos em grego, as três possibilidades acima são aceitáveis do ponto de vista gramatical. Cabe apenas ao tradutor escolher sua alternativa. Evidentemente se as palavras acima se referissem a Jesus não haveria dúvida na mente da maioria dos tradutores sobre qual caminho seguir.

Uma História Real

O dia é sete de março de 1797. Uma navio parte da Inglaterra rumo ao Taiti. Um grupo de missionários estimulado por um movimento conhecido como Grande Despertamento resolve singrar os mares em busca de um ideal: pregar o Evangelho num território totalmente virgem no Pacífico Sul. Os anos se passam e devido a doenças, fome e privações quase todos os missionários resolvem voltar para a Grã-Bretanha. No entanto, dois jovens destemidos de nomes Henry Nott e John Davies, ambos com cerca de 26 anos, resolvem permanecer no Taiti porque um sonho tomara conta de suas almas: traduzir a Bíblia para o povo taitiano.

Quando chegaram inicialmente ao Taiti, Nott e Davies não sabiam nada da complexa língua taitiana. Memorizaram apenas algumas palavras que visitantes anteriores haviam repassado para eles. O desafio de aprender o taitiano era enorme para alguém não acostumado a sons guturais semelhantes às antigas línguas semitas, além de diversas outras dificuldades lingüisticas. E o pior, não havia gramáticas, não havia escolas, nem sequer havia a forma escrita daquele idioma! Mesmo em doze anos de pregação nenhum nativo se convertera ao cristianismo para juntar-se a eles nessa tarefa. Como eram esforçados aqueles dois homens!

O que dizer da formação acadêmica de Davies e Nott? Como eles queriam traduzir a Bíblia a partir dos originais hebraico e grego, é de se esperar que eles fossem mestres nestas línguas. Certo? Errado! Nott era um simples pedreiro e Davies um aprendiz de merceeiro. Mal sabiam escrever na própria língua materna. Portanto, eles tinham dois grandes desafios. Primeiro, aprender o taitiano, inventar uma forma escrita e ensinar o povo a ler. Segundo, aprender hebraico e grego sozinhos. Eles não fugiram desses obstáculos, foram à luta.

Eles solicitaram da London Missionary Society algumas publicações que os ajudassem. Receberam um dicionário grego-inglês, uma Bíblia com dicionário em hebraico, uma edição do Textus Receptus, uma King James, uma Septuaginta, além de alguns outros textos básicos. Precisamente em dezembro de 1835, quase 40 anos depois de iniciada sua missão, terminaram a tradução da Bíblia para o taitiano. Pouco antes de falecer, ao 70 anos, Nott publicou um dicionário com 10.000 verbetes taitianos.

A Bíblia de Nott, como ficou depois conhecida, tinha uma singularidade: o nome próprio de Deus Ieova (YHWH) no Novo Testamento. Por causa da influência desta Bíblia, até hoje o nome Jeová desfruta de uma certa popularidade no Taiti, aparecendo até em faixadas de algumas igrejas protestantes.

Depois que Nott e Davies completaram sua versão da Bíblia, muitos outros tradutores se basearam nela para traduzirem a Bíblia para outras centenas de ilhas do Pacífico Sul. Se basearam não somente na tradução em si, mas na forma escrita do taitiano, inventada por Nott e Davies. Hoje em dia o trabalho daqueles dois homens é considerado o padrão a ser seguido pelos tradutores modernos do Pacífico Sul, estes sim com a educação formal que muitos consideram indispensável para um trabalho de boa

qualidade. Conclusão

A Torre de Vigia é muito conhecida, em alguns círculos acadêmicos e apologéticos, por esconder fatos importantes de seus adeptos. Isso faz com que ela seja bastante criticada. Por outro lado, o que foi aqui exposto serviu para mostrar que a Torre de Vigia produziu uma Bíblia que é injustamente censurada por algumas religiões. Embora ela contenha realmente alguns erros, como toda tradução, os versículos geralmente alvo de críticas possuem um esteio que não pode ser desprezado. Além disso, não terem os autores da TNM formação acadêmica não é um obstáculo intransponível. A história de Henry Nott e John Davies mostra que o aprendizado autodidata pode proporcionar realmente a capacidade de se traduzir a Bíblia. Depende apenas da motivação, potencial intelectual e dedicação, além dos recursos financeiros disponíveis, o que não falta à Torre de Vigia. Sem esquecer de mencionar que há várias décadas ela tem uma tradição inegável em traduzir publicações em centenas de idiomas, inclusive em hebraico e grego modernos. Alguns de seus membros de alto escalão também têm o costume de estudar obras teológicas e eruditas. Por tudo isso é natural que a Tradução do Novo Mundo possua características de uma boa tradução, mesmo que ela não seja a melhor tradução disponível. Mas com certeza não é a pior.

Os diversos tradutores da Bíblia que verteram aqueles versículos de forma semelhante a TNM, acabaram por dar suporte à Tradução do Novo Mundo, embora essa não fosse a intenção deles. Mesmo que algumas dessas fontes sejam acusadas também de sectárias isso não acontece com todas. Vários trinitaristas convictos traduziram os chamados versículos cristológicos de acordo com a TNM. Isso não pode ser desconsiderado. Essa situação incômoda faz que muitos trinitaristas chamem tais tradutores e eruditos de "teólogos independentes". Mas independentes do quê? De credos e preconceitos? O fato é que alguns daqueles eruditos não podem se enquadrar nessa categoria de "independentes", pois são ou foram arraigados em suas denominações religiosas, as quais usam o trinitarismo como bandeira principal. Uma das explicações que alguns dão para essa situação é que os tradutores têm suas peculiaridades, de cunho quase acidental, e que elas não são relevantes. Mas como foi visto, há vários eruditos que sabiam muito bem o que estavam fazendo quando elaboraram as tais peculiaridades, mediante as suas traduções, e não raro faziam comentários técnicos a respeito de suas decisões.

Existe um aspecto, não abordado anteriormente, que também é relevante. A TNM possui algumas passagens bem interessantes que fazem dela uma versão mais precisa do que muitas outras disponíveis ao público. Por exemplo, é comum as versões não fazerem distinção entre os termos gnosis e epgnosis, traduzindo ambas as palavras simplesmente por "conhecimento". A TNM traduz gnosis por "conhecimento" e epgnosis por "conhecimento exato", refletindo de forma mais precisa os originais.

Um outro caso é a forma de traduzir três palavras gregas: bréfos, paidion e pais. Muitas versões traduzem essas palavras invariavelmente por "criança". Mas há uma sutil diferença entre elas. Cada uma se refere a um determinado estágio no crescimento de um bebê. A Tradução do Novo Mundo leva em conta essa diferença e traduz de uma maneira tal que cada uma dessas palavras tenha um correspondente exclusivo no vernáculo, quais sejam: "bebê", "menininho" e "criança".

Outros exemplos podem ser vistos no apêndice da Tradução do Novo Mundo com Referências e Notas Marginais (1986). Nesta edição o leitor fica sabendo que os antigos manuscritos bíblicos existem aos milhares, e possuem centenas de variantes que mudam completamente o sentido de certos versículos, resultando em várias alternativas de tradução. Só para se mencionar uma fonte, quando se levam em consideração os rolos do Mar Morto, detecta-se várias diferenças em relação ao texto massorético, embora não se trate de pontos que abalem a fé cristã.

Não existe tradução perfeita. É como diz certo adágio italiano: "tradutor traidor". Quem já traduziu algum texto estrangeiro para o nosso idioma, mesmo sem ser profissionalmente, percebeu as dificuldades naturais que surgem: as sutis variações de sentido que dificultam a simples conversão literal para a nossa língua (vide citação nº 10 na consideração de João 1:1). Se dificuldades existem em idiomas modernos, quanto mais haverá em idiomas milenares! Uma posição equilibrada da situação, mesmo retendo alguns preconceitos, é o melhor caminho. O valor inerente de todas as traduções deve ajudar na difícil tarefa de saber como o Autor Divino quer que entendamos as palavras contidas na Escrituras Sagradas.

A Bíblia contém milhares de versículos, como uma tradução pode ser condenada como inútil por causa da reprovação de apenas um punhado de passagens? Se você ler, por exemplo, os Evangelhos ou os Atos dos apóstolos na Tradução do Novo Mundo, não vai se emocionar do mesmo jeito que se emocionaria em outra versão? Isso por si só já é uma prova de que a TNM tem também o seu valor, além do que foi aqui considerado.

Independente de qual versão, leia a Bíblia diariamente. Deixe para Deus, o justo Juiz, a tarefa de determinar a glória ou a desonra de nossos tradutores. Afinal de contas, um dia não precisaremos mais de traduções, pois "temos conhecimento parcial e.... atualmente vemos em contorno indefinido por meio dum espelho de metal", mas depois será "face a face". Até lá, "permanecem a fé, a esperança, o amor, estes três; mas o maior destes é o amor". O amor que "não se incha de orgulho.... não se irrita, [e] nem guarda rancor". - 1 Coríntios 13:4, 5, 9, 12, 13, Tradução do Novo Mundo e Tradução Ecumênica da Bíblia.

Apêndice

1) Salmo 58:2 em diversas traduções (em algumas versões é 58:1, 57:1, 57:2 ou ainda 58:1):
" Septuaginta Grega: "' Ö Â ¸  ¸ Á  ¸ § §n  '  ® ¨ Á "?
" Vulgata Latina: "Numquid vere, potentes, iustitian loquimini, recte iudicatis filios hominum?"
" Figueiredo: "Se verdadeiramente vós falais justiça, julgueis com retidão, ó filhos dos homens."
" Douay/Rheims: "Poderosos, é verdade que dais sentenças justas? Será que julgais os homens com precisão?"
" King James: "Realmente falais o que e justo, ó congregação? Julgais imparcialmente, ó filhos dos homens?"
" American Standard Version: "Certamente em silêncio falais o que é justo? Julgais imparcialmente, ó filhos dos homens?"
" CNBB: "Fazeis mesmo justiça, ó poderosos? É segundo o direito que julgais os homens?" (Nota: "poderosos: cf. NV; BH: em silêncio.").
" Byington: "Certamente, notáveis, falais o certo, julgando com imparcialidade?" (Nota: "Codd.* de fato em silêncio falam o certo.").
" Nova Versão Internacional: "Será que vocês, poderosos, falam de fato com justiça? Será que vocês, homens, julgam retamente?" (Nota: "Ou deuses.").
" Almeida Melhores Textos: "Falais deveras o que é reto, vós os poderosos? Julgais retamente, ó filhos dos homens?"
" Almeida revista e corrigida: "Acaso falais vós deveras, ó congregação, a justiça? Julgais retamente, ó filhos dos homens?"
" Almeida revista e atualizada no Brasil: "Falai verdadeiramente justiça, ó juízes? Julgais com retidão os filhos dos homens?"
" Bíblia na Linguagem de Hoje: "Será que vocês, autoridades, são justos nos seus julgamentos? Será que julgam a todos com justiça?" (Nota: "Deus; ou os juízes.").
" Saraiva dos Santos: "Estais vós, na verdade, de língua tolhida para proferir justiça? Julgais vós com retidão os filhos dos homens?"
" Definição da palavra (elim): "Deus supremo, Deus; divindade, deus, ser divino; ídolo. Significa natureza divina: ordinariamente quando se usa como predicado, no plural com alguns determinativos, com , referido a deuses estrangeiros ou falsos." - Dicionário Bíblico Hebraico-Português (1997), de Luis Alonso Schökel, ed. Paulus, p. 55.

2) Êxodo 21:22; 22:9:

" "A causa de ambos virá perante os juízes: aquele a quem condenarem os juízes o pagará em dobro ao seu próximo." - Almeida revista e corrigida.
" ".... conforme a determinação dos juízes." - Nova Versão Internacional (Nota: "Ou 'de Deus'.").
" "Aquele que for condenado pelo tribunal, pagará o dobro do prejuízo que causou." - Bíblia Viva.
" Comparando as traduções anteriores percebe-se que a palavra hebraica 'elohim é traduzida por "Deus", "tribunal" e "juízes". Meir Matzliah, em sua obra Torá, usou a palavra "juízes" na tradução de Êxodo 21:22 e 22:9.

3) Salmo 8:5:

" "Minuisti eum paulo minus ab angelis, gloria et honore coronasti eum." - Vulgata Latina.
" "Pouco menor o fizeste do que os anjos, de glória e de honra o coroaste." - Figueiredo.
" "O fizeste apenas um pouco abaixo do que os anjos." - Salmos Vivos, Living Bible International.
" "Tu o fizeste um pouco menor do que os seres celestiais." - Nova Versão Internacional.
" "Pois um pouco menor o fizeste do que os anjos." - Almeida trinitariana.
" "No entanto, o homem é apenas um pouco menor do que Deus." - Bíblia Viva.
" "Fizeste-o, contudo, pouco abaixo de Deus." - Saraiva dos Santos.

" O Salmo acima se referia originalmente ao "homem mortal", feito do barro. Seria o homem "apenas um pouco menor do que Deus"? (Bíblia Viva) Ou seria ele um pouco menor que outra categoria de criaturas, tais como os anjos? A Tradução do Novo Mundo verte da seguinte maneira: "Passaste a fazê-lo um pouco menor que os semelhantes a Deus."

INÍCIO