Site hosted by Angelfire.com: Build your free website today!
27-08-02

Não sei se sou apenas eu, mas fico altamente receosa quando mostro os meus desenhos a alguém que não seja a minha irmã. Sinto que me torno subitamente transparente e que qualquer pessoa pode conhecer o mais ínfimo cantinho da minha alma apenas por observar o desenho.

Odeio que me tentem descobrir a mim e aos meus estados de espíritos através do que desenho. Quando comentam: “Oh, estavas triste no dia em que desenhaste isto, não estavas?” sinto-me corar – não porque tenham decifrado alguma coisa, mas sim porque estão quase sempre redondamente enganados.

Se estou triste, não vou desenhar uma rapariga lastimosa arrastando-se ensanguentada pelo chão, mas sou bem capaz de desenhar menos bem que habitualmente ou usar cores escuras. Se estou feliz, não vou obrigatoriamente desenhar uma miúda aos pulos, mas sim usar várias cores, desenhar algo com gosto, colocar expressões bem feitas... Não nos podemos deixa levar pelo óbvio no que toca a interpretação de desenhos.

Gostaria de me livrar desse receio. Não é que não me considere boa a desenhar - o problema quase nunca é de proporção ou realismo - o problema é o que os outros podem ver no desenho. Não me importo muito com o que pensam de mim, mas fico triste por não ter conseguido passar a imagem certa...Suponho que tudo depende do ponto de vista. Posso considerar a Mona Lisa o fruto dum dia de pouca inspiração, mas quem sabe não existirá alguém que a ache uma soberba obra de arte? Ou uma manifestação de um qualquer sentimento? Sabe se lá...È incrível como as coisas podem revelar outra face apenas por olharmos para ela com os olhos dos outros.

Voltar